Mondo #4: Manual para criar projetos autoiniciados

Uma maneira de exercitar a criatividade e buscar novos rumos. E ainda: digital streetwear, shows virtuais, arquivo da MTV Brasil, Hayao Miyazaki

Ano 1 • № 4 • 10 de setembro de 2020

VOCÊ PODE ESTAR SENTINDO UM pouco de ansiedade, irritação, insegurança, tristeza ou qualquer outra emoção humana apropriada no momento, devido à pandemia. É que com toda essa crise que vivemos no mundo nos últimos meses, talvez tenha se deparado com algum tempo livre a mais para si ou talvez tenha atingido aquele obstáculo que (quase) todo profissional teme: a rotina, tanto criativa quanto corporativa. Mas, analisando pelo lado bom, você pode enxergar ambos os casos como oportunidades de experimentar novos projetos autoiniciados que você tanto queria, mas reclamava que não tinha tempo ou se boicotava por não se achar capaz. Ou seja, uma pausa ou uma insatisfação na carreira são, de alguma maneira, os melhores momentos para buscar apoio em seus próprios projetos — tanto do ponto de vista profissional, quanto psicológico. Porque, acredito mesmo, é preciso continuar tentando, indo em frente e definindo novos rumos para manter em alta o fluxo que faz com que sigamos em atividade. Ou, "energia", se assim preferir.

Um projeto autoiniciado é uma maneira interessante de exercitar a criatividade, experimentar técnicas diferentes, pôr em prática seus conhecimentos e mostrar ao mundo do que você é capaz. Além, claro, de enriquecer suas experiências, pois muitas vezes esses projetos podem (e deveriam, melhor dizendo) se tornar negócios próprios. Mesmo que isso não aconteça ou não seja sua intenção, projetos desse tipo podem levar a descobertas sobre seu futuro profissional que você provavelmente não encontraria em trabalhos para clientes. Podem também abrir portas a outros novos projetos. Isto é, sempre tem um aprendizado no meio!

Assim, eu achei que valeria a pena expor esse tema nesta edição da Mondo, dividindo meu processo para criar projetos autoiniciados em alguns passos e indicando ferramentas/apps que uso. A própria Mondo é um projeto do tipo, já que, como muitos mundo afora, eu passei a ter uma demanda bem menor de trabalho, perdi clientes e precisei me adaptar, reorganizando meu tempo "extra", pensando sobre o futuro e fazendo algo que já estava na minha cabeça há um certo tempo (e que é bem diferente do que vinha fazendo nos últimos 15 anos). 

Passo Um: Deixando fluir as ideias

Ter ideias pode parecer algo complicado à primeira vista, mas também tem a ver com disciplina. Você costuma anotar as suas? Eu faço isso com o Evernote, criando uma nova nota para cada ideia que tenho, anotando exatamente o que se passa pela minha cabeça no momento, da forma mais pura e crua possível — sem nem ligar pra forma como a escrevo, a fim de não perder o fio do pensamento, da ideia. 

Sem dúvidas que é mais fácil lidar com o trabalho de clientes, pois você recebe um briefing e limitações definidas, como cronograma, orçamentos, guias de estilo ou instruções criativas. Já com seus próprios projetos, você pode fazer qualquer coisa. Isso é ótimo, mas também pode ser meio incômodo e ficar por horas na sua cabeça. A maioria das pessoas se perde quando as possibilidades do que pode ser feito são infinitas: é como ir a uma loja para trocar de celular e ter dezenas de opções diferentes, tornando a escolha muito mais difícil.

Uma boa forma de começar com uma ideia é observar algo que você aprecia, analisar e fazer algumas perguntas. Do que você sente falta? O que você gostaria de ter ou fazer e ainda não foi criado? Se já foi, como fazer diferente? O que te incomoda? Como aplicar a ideia X, num projeto Y? E então, é pensar em coisas que ao mesmo tempo te atraem, mas também te fazem pensar que existe espaço para inovar, fazer diferente, melhorar, recriar. Crie listas. Escreva tudo. Marque as que você tem mais paixão e te atraem, porque são essas que garantirão a motivação ao longo do tempo, quando as coisas não estiverem tão boas quanto você gostaria. Dor, incômodo e frustração são alguns dos sentimentos por onde "nascem" muitas ideias bacanas.

Passo dois: Definindo o que será o projeto

Depois de tantas ideias, questões e de selecionar a que mais atrai você a começar algo do zero, é hora de definir o que será feito. Nesta fase inicial, criar listas mais específicas sobre o que foi escolhido e criar mapas mentais ajudam a delimitar o projeto. No caso da Mondo, eu havia pensado inicialmente em escrever no blog do meu próprio estúdio, House Of X, sobre os temas que escrevo aqui. Só que depois de pensar e pensar e pensar de novo (algo típico, pra mim 😌), resolvi que não precisava "misturar as estações" — era mais apropriado lançar um novo produto, tal como um novo projeto autoiniciado, do que usar a marca que estabeleço para meus trabalhos em algo diferente. Daí, surgiu a ideia de uma newsletter, pois é um formato relativamente novo, da forma como ressurgiu ultimamente, e dá pra ter um contato mais direto com que lê, como você.  

Mas tem mais. Tem a questão da plataforma a ser usada também. Eu pensei, primeiro: "tem que ser um novo site?" ou "preciso ter um domínio próprio?", "crio um novo Instagram?" ou "posso fazer um zine, em vez de newsletter?" Parecem detalhes, mas fazem muita diferença no decorrer do tempo, no desenvolvimento do projeto. No entanto, você precisa lembrar do tal "MVP", o minimum viable product, que é a versão mais básica que seu produto/projeto pode ter ao ser lançado. No início, quanto menor o esforço e menores os gastos, melhor, porque é tudo ainda uma "aposta", é novo. Por isso, decidi criar a Mondo numa plataforma de newsletters criada especificamente para essa finalidade, a Substack. Existem várias, mas essa me pareceu mais adequada no momento. Quanto ao Insta, mantive o meu próprio, porque é algo com minha assinatura e meu perfil por lá serve para isso. 

Em resumo, faça escolhas que levem em conta questões relacionadas às particularidades do seu projeto, seu tempo e recursos disponíveis. E refine as ideias até que possam ser concretizadas minimamente.

Passo três: Criando um nome para o projeto

Já pensou num nome? Eu quase sempre penso num nome desde o primeiro momento da ideia, mas, quando não é o caso, assim que vou definir o plano trato logo de pensar no nome. Um nome ajuda a dar forma ao que será criado desde o início. No meu caso, penso de acordo com a definição do projeto, suas características, seus temas, o que aquele projeto "me diz". Isso é importante — deixar o projeto falar por si só nesse estágio inicial. 

Para a Mondo, eu pensei no que queria e comecei a escrever palavras que, para mim, tinham relação com a essência do projeto. Mondo foi a escolha (inclusive, falo o que significa logo na edição #1), ainda mais porque é uma palavra que sempre curti. É preciso ter "repertório", pensando em referências, influências e conexões entre temas para que o nome seja algo criativo, cativante e adequado.

Passo quatro: Elaborando um plano

O próximo passo é seguir em frente e criar um plano para produzir seu projeto. Uma questão importante em projetos autoiniciados é o prazo para a ideia sair do papel: se você não tiver disciplina e não for capaz de manter uma programação rígida, diária de produção — da mesma maneira como faz com os trabalhos de clientes — seu projeto provavelmente nunca verá a luz do dia. 

Portanto, o primeiro ponto de atenção deve ser um prazo. Coloque marcos para certas tarefas, quando necessário, e defina uma data de lançamento do projeto. Para auxiliar, eu uso um app chamado Todoist, que é muito bom para organizar tarefas em projetos. O Trello é outra ferramenta que também uso para essa finalidade, alternando ambas. E lembre-se de tratar seu projeto com carinho, como se fosse o trabalho de um cliente. 

Passo cinco: Definindo regras para a criação

Com o projeto já definido, você precisa começar a criar suas regras e algumas restrições para criá-lo. Sem isso, as coisas não funcionam bem e, possivelmente, nem avançam. Quais as regras do seu projeto? É algo sazonal ou que tenha uma periodicidade? Uma vez por mês? Uma vez por semana? Você cria algo todos os dias? É algo feito uma única vez? Quais as partes que compõem seu produto/projeto? 

Para a Mondo, eu defini que, pra começar, seria uma newsletter semanal, enviada todas às quintas-feiras, logo pela manhã. Aqui, levei em conta o dia de acordo com os temas abordados, já que, em direção ao final de semana, julguei que as pessoas estariam mais abertas a receber temas que as façam refletir, conhecer outros pontos de vista, entender novos assuntos que sejam relevantes para elas — levei em consideração meu comportamento e o de pessoas conhecidas, com quem fiz uma espécie de "pesquisa", bastante informal. Bom, até aqui tem dado certo… Quanto ao horário, pensei numa faixa que fosse antes da rotina diária de trabalho ou de tarefas em casa. 

Outras regras que defini dizem respeito ao conteúdo semanal da Mondo e suas seções: um tema principal, sempre; sugestões de leitura selecionadas das minhas fontes de informação; dicas inspiradoras; um GIF que provoque alguma reflexão e uma seção mais livre na qual pudesse incluir algum conteúdo diferenciado em algumas edições. Além disso, também busquei estabelecer uma "ponte" com as (hoje raras) revistas impressas, ao adicionar um header com indicação de ano, edição e data. E pronto! Minhas regras foram criadas. Definir regras e segui-las cria um senso de organização e consistência, deixando a execução mais fácil. Quanto mais regras você tiver em seu projeto, melhor. 

Passo seis: Criando um estilo

Seu projeto deve ter um estilo diferenciado e bem definido, pois é isso é algo que o tornará conhecido e fará parte do branding de seu projeto. Nada muito profundo aqui, é só pra começar algo novo. Assim, comece definindo o posicionamento do projeto (ou produto), identificando o que o diferencia no mercado. Como você não vai fazer uma pesquisa, faça uma lista de 3 adjetivos que você quer que sejam transmitidos às pessoas ao olhar para seu projeto. 

Eu vejo a Mondo como inspiradora, divertida e nostálgica, porque, para mim, essas são as principais conexões quando se trata de abordar questões da vida criativa. Ao mesmo tempo, criei uma paleta de cores (abaixo) com tons que dão apoio a esses adjetivos. Um bom site que uso e recomendo para criar paletas de cores é o Coolors.

Também criei um logo que refletisse o posicionamento, tanto na tipografia, quanto nas cores usadas (e que fazem parte da paleta). Tudo isso, compondo uma referência a outros momentos criativos da história que se relacionam não só com o que quero transmitir, mas também com a forma como quero que aconteça. Saiba que quanto mais definições de estilo você criar, mais fácil será para que seu projeto seja único e facilmente reconhecível nas redes sociais. 

Passo sete: Lançando seu projeto

Para lançar seu projeto autoiniciado, não tem muito mistério até aqui: é fazer posts em redes sociais, adicionar o link nas suas bios e falar com os amigos mais próximos. Pedir para compartilhar ajuda, algumas vezes. Quanto a enviar emails para jornais, revistas e blogs, tenho dúvidas que funcione tão bem nos dias atuais. Mas, você é livre para arriscar, verificando se a publicação tem relação com seu projeto. Anúncio no Facebook ou Instagram? Funcionam sim, se você tiver dinheiro sobrando pra investir. Mas, lembre-se que este é um momento inicial, no qual vale a pena testar sua ideia, para só depois começar a dar passos maiores. O importante é manter a atividade e ir aperfeiçoando e expandindo o projeto em etapas, de acordo com a receptividade, novas ideias e com o público. E boa sorte! ■


Mix

O que andei lendo nos últimos dias: Na Nylon, uma designer que criou uma marca de streetwear digital-only. Significa que as "roupas" só existem na web e em lojas virtuais de games como Fortnite. Interessante... @@ Como o futuro de muitas revistas tem sido o digital, já existe uma tendência em criar capas com animação, tipo GIFs, mas só para as redes sociais (como a PEGN fez no seu Insta). Deu no Eye On Design. @@ No The Guardian, o plano para criar uma smart city futurista no Senegal (foto acima) — ideia do cantor Akon. Seria tão avançada como a Wakanda, do Pantera Negra, e usaria uma criptomoeda. @@ Na Rolling Stone, os bastidores da poderosa máquina criativa, tecnológica e de entretenimento do Tik Tok. @@ O que você acha de marcas que vivem de memes nas redes sociais? Eu, já não tenho muito saco, e agora a Digiday afirma que esse tipo de marketing pode ser arriscado. @@ No Globo, como vários festivais têm rolado com shows virtuais. @@ Você passa por momentos de negatividade interna? Eu passo e muita gente também, mas a Forbes dá umas dicas para evitá-la, como parar de se comparar e pensar nos pontos fortes. @@ Uma vida mais digital e consumo consciente são algumas das tendências que a Elástica aposta para o pós-pandemia. @@ Os chefes podem ser mais solitários e sem muitas amizades verdadeiras no ambiente das empresas justamente por conta da posição de liderança. Detalhes no The Atlantic. @@ No Tab, veja só, o acervo da MTV Brasil, aquela dos anos 90 e início dos 00, pode ser restaurado e disponibilizado em breve. Que maravilha! Que fase boa e simples da vida! (PS.: eu já escrevi sobre a MTV Brasil aqui.) @@ Lembra do Winamp? No A.V. Club, um museu online com 65 mil skins desse MP3 player do início da web! Usei muito… @@ Bip! Alexandre Bobeda

Play

O que vi, ouvi e curti nos últimos dias:

  • 10 anos com Hayao Miyazaki, um documentário sobre o processo criativo do co-fundador do Studio Ghibli. É grátis no site da NHK World Japan.

  • Tem sempre um vídeo interessante, com dicas que fazem pensar sobre empreendedorismo e vida criativa, no canal Foundr Magazine, no YouTube.

  • Os ilusórios cenários em miniatura criados por um artista japonês que mistura bonecos e action figures com brócolis, sushis e outras coisas. É o Miniature Calendar.

  • Ouvi muito: You're Not Alone, 1º single da banda Semisonic desde 2001! E mais: Cyr, do Smashing Pumpkins, Pra Dizer Adeus (Trio Acústico), Titãs e Over Now, Calvin Harris & The Weeknd.

  • E que tal esta "loja de discos para ratos"?


Trivia - Logos trocados

Você consegue identificar de quais empresas são as marcas (design e cores) no gif abaixo?

GIFInspiração

Cai fora!

Serve pra tanta coisa neste momento...

[ Resposta Trivia: Nintendo, Pepsi, IBM. ]


Mondo é uma newsletter enviada aos assinantes sempre às quintas-feiras. Inscreva-se aqui: mondo.substack.com e encaminhe para os amigos!

Obrigado por ter chegado até aqui. Obrigado por estar aqui.

Tem comentários? Eu adoraria saber mais de você que lê meus textos, de verdade: fica à vontade para entrar em contato e contar suas impressões, viu? Ou dizer qualquer outra coisa. É só escrever para hola@houseofx.com.br.

Me encontre também no Instagram@alexbobeda e no Twitter: @alexandrebobeda

Compartilhe a Mondo

Imagens: [Texto principal: Big Cartel; Giphy | Mix: Hussein Bakri/BAD Consultant/Semer Group | Trivia: Printsome | GIFInspiração: Giphy]

Mondo é um produto do estúdio House Of X.